5 diferentes formas de como operar na bolsa de valores

Seja você um investidor experiente, seja você um novato no mercado de ações, é comum a dúvida sobre quais são as diferentes formas de como operar na bolsa de valores.

Isso porque o mercado de ações é um ambiente repleto de oportunidades e de riscos.

Assim, todo mundo busca entender qual é a melhor maneira de aproveitar o máximo do potencial do dinheiro que está “voando” por aí de mão em mão, mas para isso é fundamental encontrar uma forma de investimento adequada ao seu perfil.

Neste texto, falaremos sobre as 5 diferentes formas mais utilizadas pelos investidores de como operar na bolsa de valores: buy & hold, position, swing, daytrade e scalping.

No fim das contas, existe uma regra básica que rege toda a renda variável: os ganhos vêm dos movimentos de preços das ações. E essas variações acontecem no decorrer do tempo.

Sendo assim, existe uma relação entre a rentabilidade de uma operação e o tempo que ela dura. Embora haja exceções.

Cabe ao investidor entender qual o tempo ótimo entre os lucros desejados e o tempo necessário para obtê-los.

Assim, as formas de como operar na bolsa de valores se dividem basicamente em janelas temporais. Continue a leitura para conhecê-las e ainda descobrir os prós e contras de cada uma:

1. Buy & Hold

O nome buy & hold já explica bem como essa estratégia funciona: compre e segure.

Essa é uma forma de operação na bolsa de valores na qual o investidor escolhe a ações de empresas mais sólidas ou com grande potencial. E com o objetivo de ficar com ela por muitos anos.

É, portanto, uma estratégia de operação no mercado de ações de longo ou longuíssimo prazo.

Normalmente, quem opta por esse tipo de método busca garantir um objetivo financeiro para o futuro.

Muitas vezes, essa é uma estratégia utilizada em composição de carteira, junto a outras formas de como operar na bolsa de valores.

Esse tipo de investimento é bastante disseminado em países de economias fortes, como os Estados Unidos, onde a menor incerteza e o menor temor sobre a economia deixam a renda fixa menos atrativa. Como consequência, a oferta de produtos de renda variável são mais abundantes.

Em países de economia forte, esses investidores colocam parte das suas economias para comprar ações com a intenção de ficar com elas por 15, 20, 30 anos, confiando no poder da valorização de longo prazo.

Os objetivos são variados, como custear a faculdade dos filhos, ter uma aposentadoria mais confortável, obter ganhos com os dividendos, entre outras coisas.

É uma forma de como operar na bolsa de valores relativamente cômoda.

Após a escolha da empresa em que se vai investir, o investidor pode acompanhar a bolsa mais de longe, não se preocupando tanto com a volatilidade momentânea e as oscilações do mercado, já que o seu foco está no longo prazo.

Na verdade, o maior problema desse investimento está em como realmente saber quais empresas são sólidas a ponto de se confiar nelas por décadas.

Isso porque o investidor pode se colocar em um paradoxo: quanto mais cedo ele comprar a ação, maior será a valorização do seu capital em algumas décadas.

Entretanto, comprar ação de empresas “novas” na bolsa pode expor seu capital a maiores riscos, já que há maior incerteza sobre a capacidade dessas empresas em se adaptarem às mudanças de mercado no longo prazo.

Basta se lembrar que telefone fixo já foi considerado um bem e que vídeo-cassete morreu na década de 90. Nem todas as empresas da época sobreviveram a mudanças assim…

Por outro lado, empresas já conhecidas costumam ter ações a um preço mais elevado e, embora possam continuar se valorizando, o efeito percentual de cada centavo que a ação sobe é menor. Além disso, o crescimento exponencial acelerado delas muitas vezes já passou.

Então, quando a escolha é certeira, o potencial de valorização é grande. No entanto, caso o investidor “erre”, ele terá desperdiçado tempo e dinheiro em uma empresa que não deu resultados.

Veja o gráfico abaixo como exemplo, com a evolução das ações da Magazine Luiza (MGLU3) de maio de 2011 a setembro de 2019.

como-operar-na-bolsa-de-valores-grafico-magazine-luiza
Crescimento das ações da Magazine Luiza

Se você tivesse acreditado no potencial de valorização da empresa, teria experimentado mais de 1750% de valorização do seu capital.

Como exemplo, se você tivesse investido R$ 10 mil na Magazine Luiza, em apenas 8 anos (período relativamente curto para buy & hold) você já teria R$ 185 mil em ações.

A grande questão é: e se o movimento for para o lado contrário? É o que aconteceu com a Rossi (RSID3), uma empresa de consultoria, entre janeiro de 2010 e outubro de 2019:

como-operar-na-bolsa-de-valores-gráfico-rsid3-buy-hold
Buy & Hold das ações da Rossi

Os mesmos R$ 10 mil seriam apenas R$ 549. É claro que o investidor dessa empresa poderia ter “desistido” e saído das ações em algum momento.

Mas qual seria o critério? Quando ele deveria desistir das ações, se seu objetivo era de longo prazo?

De qualquer forma, o investidor teria tomado um grande prejuízo até tomar essa decisão. E, com certeza, teria perdido anos nesse investimento.

2. Position

Operar em position, ou seja, ficar posicionado, é uma forma de investimento com vista de médio prazo (em geral, meses).

Os investidores que operam dessa forma na bolsa de valores estabelecem suas carteiras e ficam posicionado nelas enquanto não houver necessidade de troca de ativos.

Normalmente, o grande objetivo nessa modalidade é superar o índice da bolsa. Isso porque no ao longo do tempo, a bolsa de valores tende a oferecer melhores rentabilidades do que a renda fixa.

Sendo assim, o desafio é obter rentabilidades ainda maiores, escolhendo as ações que apresentem valorizações acima da média.

É comum que os investidores que optam pelo position trade façam a programação das suas carteiras sob um período definido de tempo e as analisem periodicamente, observando como foi a movimentação do mercado para decidir se vão trocar alguma ação.

Um exemplo é: programar uma carteira mensal e fazer uma análise do desempenho das ações semanalmente.

Normalmente, os investidores que operam em position definem limites de perda (stoploss) um pouco mais “flexíveis”, ou seja, mais longe do preço de compra da ação do que em outras formas de como operar na bolsa de valores.

Isso é para garantir que eles não sejam obrigados a sair dos ativos por causa de pequenas oscilações do mercado.

Essa é uma ótima opção para quem está iniciando as operações na bolsa ou para quem quer ter um portfólio de ações em constante valorização.

E é bastante adequada a quem não tem muito tempo para ficar acompanhando o mercado, passando horas diárias em frente ao computador para definir as compras e vendas.

Nesse tipo de operação, bastam algumas horas no fim de semana para verificar os resultados da carteira e programar as operações da próxima semana.

Outra opção é contar com uma recomendação de investimento, como é o caso da carteira de ações Big Rocks, e gastar segundos para saber quais e quantas ações comprar.

A carteira de ação é uma excelente forma de operar na bolsa de valores. Clique para saber como montar uma!

3. Swing trade

Outra maneira de como operar na bolsa é o swing trade.

Diferentemente do position, no swing trade a entrada e a saída dos ativos podem ocorrer em um intervalo de dias ou até ficar meses ou anos nas mãos do investidor. Tudo vai depender de como as ações vão se comportar.

O desafio dessa forma de operar na bolsa é encontrar boas oportunidades de trades. Por isso, é comum que quem opera dessa forma na bolsa de valores utilize estratégias seguidoras de tendência.

O objetivo é enxergar ações em movimento de alta para aproveitar a tendência.

Assim, o investidor compra a ação quando ela apresenta um sinal de entrada e vende quando decide que é hora de encerrar a operação, ficando líquido no mercado. É desse balanço que vem o nome swing.

Por haver mais negócios do que nas estratégias citadas acima, no swing trade é ainda mais importante controlar o risco das operações, cortando rapidamente as perdas para que elas não gerem impacto irreversível no seu capital.

Já os trades positivos podem ficar bastante tempo nas mãos do investidor, a fim de que ele aproveite a tendência de alta da ação para ganhar o máximo possível.

Desse modo, esse tipo de operação permite ganhos expressivos ao mesmo tempo em que protege de forma mais eficiente o capital do investidor.

Por ter um fluxo maior de entrada e saída de ações, entrar na bolsa de valores fazendo swing trade vai dar um pouco mais de trabalho do que em position.

Isso porque essa forma de como operar na bolsa de valores exige atenção diária do investidor, ainda que ele possa fazer tudo isso em alguns minutos ou no máximo em poucas horas.

Apenas o tempo necessário para analisar os resultados do dia anterior e programar as decisões do próximo dia.

De qualquer forma, existem opções como o Método Atlântico, uma poderosa estratégia seguidora de tendência que já faz tudo isso por você!

O Método Atlântico encontra as ações em tendência de alta a partir de modelos quantitativos, estatísticos e matemáticos.

A partir disso, ele dimensiona a posição de cada ação de acordo com o seu capital disponível; e indica o momento de entrar, de sair.

Também avisa quando a operação apresenta risco ou não.

4. Daytrade

Quem decide operar na bolsa de valores com o daytrade segue a mesma premissa do swing trade: comprar uma ação com a expectativa de que ela vai se valorizar e vendê-la.

Mas tem uma diferença. Eles fazem isso dentro de um mesmo dia.

Ou seja: um daytrader pode comprar uma ação às 11h e vendê-la às 15h.  O que diferencia o daytrade é a característica de sempre zerar a posição, antes do dia terminar.

Quem utiliza essa forma de operar na bolsa sempre passa a noite com o dinheiro líquido “no bolso”. Isso significa encerrar o dia sem nenhum papel nas mãos. O desafio é lucrar com os eventos e os movimentos que acontecem dentro de um mesmo pregão.

Esse tipo de operação normalmente se traduz na forma de operações alavancadas (no mercado futuro) ou com posições muito grandes, já que as variações dentro de um mesmo dia são muito menores do que as que um ativo pode apresentar em dias, meses ou anos.

Com variações muito pequenas dentro do dia (tipicamente), é preciso movimentar um capital bastante volumoso para que os resultados financeiros das operações valham o tempo demandado na frente do computador durante o dia.

Também é preciso ter uma atenção enorme ao controle de risco. Isso porque quando você movimenta quantias muito grande de dinheiro e faz diversas operações por dia, uma variação repentina do mercado pode resultar em grande impacto no seu capital.

Além de poder devolver para o mercado tudo o que você ganhou no mês.

Outro ponto é que isso implica em muitas operações, o que acaba aumentando o valor gasto em corretagem e emolumentos, por exemplo.

Obviamente, esse também é um modelo destinado a quem vai se dedicar exclusivamente à bolsa de valores.

É necessário ter atenção total aos ativos para conseguir identificar o mais rápido possível os movimentos dos papéis enquanto ainda estão começando, pois o tempo para ganhar dinheiro é curto.

5. Scalping

O scalping é o “daytrade” elevado ao extremo. Se no daytrade as ações são compradas e vendidas em intervalos de horas, no scalping esse tipo de operação pode durar segundos!

Isso mesmo: o scalper pode comprar um ativo agora e vendê-lo daqui 10s, 20s, 60s. Essa é uma estratégia de como operar na bolsa de valores que exige atenção total, muita experiência no mercado, bastante estudo e controle de risco extremamente rígido.

O foco de quem utiliza esse método no mercado de ações está nas micro oportunidades que aparecem durante o dia. E eles podem realizar dezenas delas em um curto período.

Apesar de tentarem ser certeiros na operação, esses traders também precisam movimentar um grande capital para conseguir um lucro que valha a pena.

Normalmente, variações de R$ 0,03 em uma ação, 1 ponto no contrato de dólar futuro ou alguns pontos em contratos futuros de índice já são o suficiente para a venda de um ativo.

Essa também é uma forma que permite ganhos volumosos na bolsa de valores, mas que expõe o operador a um risco consideravelmente maior.

Realmente, em qualquer mínimo descuido ou mesmo uma queda repentina na sua internet pode comprometer todo o lucro do mês, sendo necessário muito controle emocional e capital para suportar as oscilações.

E qual a melhor estratégia de como operar na bolsa de valores?

Como você observou, existem diferentes formas de como operar na bolsa de valores. Mas a questão é: qual delas é a melhor?

Todas elas têm prós e contras. Então, a resposta para isso está na sua própria necessidade e nos seus objetivos ao entrar no mercado de ações.

Se você quer simplesmente aumentar seus rendimentos e construir patrimônio, diversificando seus investimentos para além da renda fixa, operações em position e swing trade são excelentes opções.

Se você tem um objetivo de longuíssimo prazo, buy & hold pode fazer sentido para você. Agora, se você busca fazer da bolsa de valores a sua fonte de renda principal, ou seja, você quer viver da bolsa, o daytrade e o scalping podem ser opções para você.

Mas é importante salientar que o percentual de pessoas que realmente consegue viver de daytrade é extremamente baixo.

Seja qual for a sua escolha, o seu objetivo e a sua necessidade, qualquer dessas opções implica em entender as características de cada operação, as metodologias de análise e a oscilação da renda variável.

Vale lembrar que uma forma de operação não exclui a outra. Você não precisa ficar preso a apenas um jeito de operar na bolsa de valores. 

Ao optar por utilizar mais de uma estratégia, você faz o que é conhecido por composição de estratégias. Desse modo, você poderá utilizar mais de uma dessas formas de operar. 

Quando você compõe estratégias, o resultado esperado é uma rentabilidade total mais consistente — com maior lucro e menores perdas.

Muitos investidores de sucesso utilizam esse tipo de tática. Por exemplo: constroem carteiras para ficar posicionado durante o mês, operam em swing trade e ainda buscam valorizações para um futuro mais distante, fazendo buy & hold de algumas ações.

Dessa forma, eles garantem que as oscilações afetarão menos o resultado anual de seu capital. Em resumo, eles não pensam apenas em como ganhar o jogo.

Eles querem vencer o campeonato. O que nesse caso significa ficar rico com a bolsa, buscando formas de terem resultados positivos consistentemente.

E então: agora que você conhece esses métodos, já decidiu a sua forma de como operar na bolsa de valores? Comente no post aqui e compartilhe a sua experiência. E se quiser ver mais posts como esse, não deixe de seguir a Rocktrade nas redes sociais. Nós estamos no Facebook, no Instagram e no Youtube.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *