Aposentadoria – Por que não existe Crossfit para o seu dinheiro?

Tempo de leitura: 9 minutos

Ao menos no quesito saúde, a próxima geração tem tudo para estrear em bom shape na aposentadoria. Exemplos não faltam. Olhe ao redor: proliferam possibilidades de exercitar o corpo via Crossfit.

Caso você seja desencanado com essas coisas, cuidado ao dar um Google agora apenas para checar como isso funciona. Os robozinhos do marketing digital vão lhe perseguir com temas fitness em todas as suas redes sociais.

Fica tranquilo, explico aqui para que serve o tal Crossfit. Trata-se de uma metodologia de condicionamento físico que congrega movimentos funcionais, constantemente variados e de alta intensidade.

Em vez da rotina repetitiva da musculação ou dos exercícios aeróbicos tradicionais, no Crossfit utilizam-se também cordas, bola, pneus e elásticos.

Essa atividade mais intensa e funcional acelera a queima de calorias, por isso, cada vez mais as pessoas recorrem ao Crossfit para emagrecer.

Qualquer tipo de pessoa, de diferentes idades e condicionamento físico pode fugir do sedentarismo e “a partir de amanhã” praticar esta modalidade para entrar em forma.

Bem, a esta altura você deve estar se perguntando o que isso tem a ver com a sua aposentadoria, conforme a chamada inicial acima. Vamos lá: infelizmente, não existe ao seu dinheiro um efeito similar ao do Crossfit no seu corpo.

No caso do Crossfit, mesmo quem nunca fez uma abdominal na vida tem chance de sonhar com uma barriga de tanquinho.

No caso das finanças, você não recupera o tempo perdido por nunca ter guardado um tostão…

Daí a importância de começar a cuidar melhor do seu dinheiro quanto antes. O tempo é o seu ativo mais importante como investidor e dono das rédeas de seu futuro financeiro.

Os quatro halteres da sua aposentadoria

Depois da academia (Crossfit ou não), sentado no restaurante, você se pergunta o que a pessoa sentada na mesa ao lado está fazendo. Como aquele casal conseguiu pagar uma viagem para o Caribe com tudo incluso. E, de quebra, compraram um carro novo.

Teriam eles simplesmente herdado algum dinheiro? Ou estariam torrando suas economias? Ou pior, ilustram mais uma daquelas histórias horríveis sobre acumular dívidas de cinco dígitos no cartão de crédito.

Há outra possibilidade. Quem sabe o chefe deles honrou a promessa referente a todos aqueles aumentos de salário que você tem sentido falta nos últimos anos.

Enfim, não dá para se levantar da mesa e tirar essa dúvida. Ao contrário do condicionamento físico, o dinheiro é um assunto tabu.

É algo pessoal e você se sairá melhor se ignorar estes vizinhos.

Mas não funciona assim. Acabamos sonhando alto. Muitos quebram antes de se aposentarem.

Um estudo do HSBC baseado em uma pesquisa realizada com 1.001 brasileiros, em 2013, aponta que 67% dos aposentados não se prepararam adequadamente para a aposentadoria. Composta principalmente por pensões do governo, a renda caiu nesta fase da vida para 56% dos aposentados. Por outro lado, 71% disseram que os gastos são os mesmos ou maiores que antes.

Ainda de acordo com o levantamento, os aposentados consideram a máxima “comece a poupar enquanto jovem” o melhor conselho financeiro que ouviram.

À revista Veja, Alfredo Lalia, presidente de Seguros do HSBC no Brasil, disse que, “em relação aos primeiros levantamentos, percebemos que as pessoas estão se preocupando mais com o futuro, mas não necessariamente estão conseguindo passar para fase seguinte, que é de conseguir poupar”, afirma Lalia.

Pois é, os números soam assustadores. Porém certas medidas tomadas agora podem lhe garantir o dinheiro necessário para o futuro. Como?

Quando sua empresa lhe dará aumento ou quando haverá menor peso de impostos do governo são coisas fora do controle. Deixe de sofrer por fatores externos, e vamos descobrir os halteres que você deve encarar em prol do futuro do seu próprio patrimônio.

Há quatro coisas que você controla na sua vida financeira:

Gastos
Economias
Timing
Risco

Eis os fatores essenciais para o sucesso. Ao dedicar energia em áreas dentro do seu domínio, você perceberá que tem condições de construir riqueza. Nada de ficar lamentando a promessa do chefe, a falta de sorte na loteria ou até mesmo a queda da Bolsa.

O caminho até o primeiro milhão

Segundo estudo do Credit Suisse, o Brasil tem cerca de 3 milhões de representantes entre os 10% mais ricos do mundo, além de 184 mil pessoas entre o 1% do topo das maiores fortunas. Entre junho de 2017 e junho de 2018, o número de brasileiros com mais de US$ 1 milhão caiu 19%, passando de 190 mil para 154 mil.

É isso mesmo: US$ 1 milhão… Como eles chegaram lá?

Estes milionários não ficaram ricos do dia para a noite por sorte (talvez um ou outro), muito menos via Crossfit. Ao contrário, eles se esforçaram naqueles quatro halteres que podem anabolizar suas finanças.

Planejando bem, virar um milionário passa longe de ser um bicho de sete cabeças. Que tal economizar R$ 10 por dia e investir a grana em algo que tenha um retorno médio de 8% ao ano. É um dinheiro equivalente a uma conta na lanchonete, ou a mensalidade do celular… Talvez menos.

Se você começar aos 20 anos de idade, se tornará milionário em 39 anos. Mas digamos que seja um pouco mais agressivo, e poupe R$ 20 por dia, aplicando a uma taxa de rentabilidade de 12% ao ano. Poderia virar um milionário em 24 anos.

A explicação chama-se efeito dos juros compostos nas economias. Também conhecido como “a força mais poderosa do universo”, segundo Albert Einstein, esta é a razão por trás da ausência de um “efeito Crossfit” para recuperar o tempo perdido da inércia nas finanças.

Nos juros compostos, o componente exponencial é a quantidade de períodos que o dinheiro fica investido. É o famoso juros sobre juros ao longo do tempo em vez de juros sobre o capital inicial. Naturalmente, portanto, o tempo é crucial na hora de aplicar o seu dinheiro.

Veja no modelo abaixo como economizar um pouco por dia reflete no tempo até você chegar ao primeiro milhão.

Poupando para a aposentadoria.

A parte mais interessante da tabela é aquela que descreve os juros crescendo para você. Quanto mais tempo o dinheiro fica aplicado, maior a base para alimentar esses juros generosos. Quando você se tornar formalmente um milionário, dentro de 39 anos, aqueles R$ 300 que você economizou no primeiro mês terão se transformado em R$ 6.951,07.

Qual é o destino do dinheiro que você produz?

Afinal, é possível economizar R$ 10 ou R$ 30 extras por dia?

O especialista em finanças pessoais David Bach recomenda que a primeira hora de todo dia de trabalho seja usada para pagar você mesmo. Se você recebe por mês cinco salários mínimos (R$ 4.770,00), trabalhando oito horas por dia (40 horas por semana), produz R$ 29,81 por hora. Deve então poupar R$ 29,81 por dia. No fim das contas, dará uma economia mensal de R$ 596,20. Se fosse R$ 50,00 por hora, separaria R$ 50,00 por dia (ou R$ 1.000,00 por mês), e assim por diante.

O trabalhador brasileiro, porém, não tem o costume de economizar. Há uma propensão ao consumo. De acordo com sondagem nacional do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) junto a 656 pessoas em 27 capitais brasileiras, o consumidor guarda dinheiro para consumir ainda mais no futuro, e não com o objetivo de constituir um fundo de reserva.

Nas entrevistas realizadas pela SPC, havia a pergunta se a pessoa foi capaz de reservar alguma quantia do salário no mês anterior. A maioria respondeu que não conseguiu guardar nada.

Mais até, de acordo com pesquisa da Anbima com ajuda do Datafolha, consultando mais de 3,3 mil pessoas de todo o país neste ano de 2018, mais da metade dos brasileiros não conhece e não utiliza produtos de investimento.

Em respostas espontâneas, ou seja, sem opções de escolha, apenas 45% da população disse conhecer um ou mais tipos de produtos, com destaque para a poupança, citada por 32%. Efetivamente, apenas 42% dos brasileiros tinham algum saldo aplicado em produtos de investimento. Dessas pessoas, apenas 9% investiram algo em 2017.

Brasileiros e sua relação com dinheiro e investimentos.

Não há dúvidas do espaço para se criar poupança no Brasil.

Seguir a estratégia de pagar a si próprio assegura que você realmente está economizando. De fato, este é o único jeito de enriquecer no qual todo o processo encontra-se 100% sob o seu controle.

Evidentemente, há outras maneiras de alcançar a independência financeira. Herdar uma fortuna, casar com alguém rico ou ganhar na loteria. Nenhuma dessas opções, entretanto, encontram-se em seu domínio – nem se assemelha a uma fórmula Crossfit.

Por isso tomar a decisão consciente de o quanto antes economizar é essencial para construir patrimônio.

Conclusão

É um desserviço ao seu bolso deixar para amanhã a hora de lidar com seu futuro financeiro – a exemplo das promessas de Ano Novo ligadas à saúde de entrar na academia ou começar uma dieta.

Economia e corpo humano são coisas muito diferentes. O amanhã acaba virando três, cinco ou dez anos… Se você começar a se exercitar somente daqui cinco anos, possivelmente irá obter resultados e recuperar seu peso e condição física.

Mas com o dinheiro não funciona assim.

Se você não parar agora para alocar melhor suas economias, daqui cinco anos vai se arrepender, pois não há como recuperar o tempo perdido – dado o efeito galopante dos juros compostos.

Como dizem os já aposentados: a máxima “comece a poupar enquanto jovem” é o melhor conselho financeiro que ouviram.

Muitas pessoas veem a riqueza como um jogo de tudo ou nada. Sabemos que você não pode comprar esse caminho. Falamos aqui de um projeto a longo prazo.

Se você pensa em ficar rico com investimentos de alto risco, sua grana pode muito bem ser corroída (possivelmente para zero).

Graças ao poder dos juros compostos, é possível com “apenas” 5% ao ano virar milionário. Se almeja retornos fora da realidade, você colocará a conta ao sabor de altos e baixos desnecessários.

Boa sorte!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *